Enfrentar não significa que não existe medo, pelo contrário – utiliza-se o medo para algo positivo

Apr 11, 2020 | 0 comments

Read stories and analysis directly inspired by volunteers’ experiences

Read more inspiring volunteer stories

Unas palabras bondadosas nunca pasarán de moda

Soy voluntaria desde hace 8 años en el área psicosocial y actualmente formo parte del Programa de Juventud. Me siento… Read more “Unas palabras bondadosas nunca pasarán de moda”

Milena Chacón
Costa Rica Red Cross Society

Supporting the Frontliners

In order to control the spread of COVID-19, the whole island of Luzon was placed under Enhanced Community Quarantine. This… Read more “Supporting the Frontliners”

Dennis Sabino Mancilla
Philippine Red Cross Society

Helping people realeased from prison in Oslo

I am a volunteer in Network after imprisonment, a part of the Oslo Red Cross. I am, at the moment,… Read more “Helping people realeased from prison in Oslo”

Roger H
Norwegian Red Cross

Quando fiz o curso de Socorrista da Cruz Vermelha aprendi sobre os 3 F’s da Emergência: a chamada resposta de (Fight) Lutar – (Flight) Fugir – (Freeze) Congelar.
Fugir significa fazer isso mesmo quando confrontado com um cenário de Emergência. Fugir de uma situação de perigo é um instinto de sobrevivência e a resposta automática do corpo humano num cenário de perigo.

Congelar significa ficar estático numa situação de perigo; o pânico é tanto que a pessoa fica literalmente presa ao chão como se tivesse congelado.
A minha resposta favorita é Enfrentar! Enfrentar/ Lutar não significa que não existe medo, pelo contrário – utiliza-se o medo para algo positivo. A resposta de lutar só pode acontecer se o indivíduo estiver informado e souber o que está a fazer. Imagina que há um pequeno incêndio no teu fogão:
• tu foges e sais da cozinha (bom, o resultado final poderá ser a tua casa inteira destruída pelas chamas porque tu fugiste);
• tu congelas e ficas ali parado (o resultado pode ser bem mais grave, podes ficar queimado e destruir toda a tua casa);
• tu lutas e colocas um cobertor por cima do fogo ou água (acabaste de te salvar a ti mesmo, a tua casa e as pessoas à tua volta).

Quando se iniciou o surto do Covid-19 em Portugal, vi os jovens a “desaparecerem”. Os voluntários da Cruz Vermelha, os meus próprios amigos. Os voluntários não se preocuparam em perguntar como é que poderiam ser úteis, se havia alguma coisa que podiam fazer…

Com o desenvolvimento da situação e o aumento do número de casos, a carga de trabalho tem aumentado e continua a aumentar diariamente. Tenho coordenado voluntários, participado na compra e entrega de alimentos e medicamentos a pessoas do grupo de risco em isolamento profilático, tenho entregue alimentos a famílias e indivíduos carênciados e apoiado a Proteção Civil em alguns pedidos.

A maior lição que tenho aprendido com a pandemia é que as competências técnicas são ensináveis, mas os comportamentos não.

O que é que isto quer dizer? Que tu podes ser a pessoa mais qualificada do mundo, mas, se não colocares as tuas competências ao serviço dos outros quando eles mais precisam, então elas não valem nada.

Tenho aprendido que a vida e o que cada um faz dela, sobretudo em momentos como o que vivemos, tem mais a ver com as nossas ações do que com as nossas palavras.

Susana Costa
Cruz Vermelha Portuguesa
April 11, 2020
Share This